Dezembro de 2019 Imprimir

MISSA EM AÇÃO DE GRAÇAS
MARCA OS 11 ANOS DE MISSÃO PASTORAL DE
DOM LUIS PEPEU NA ARQUIDIOCESE DE VITÓRIA DA CONQUISTA

 

No último da 8, Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora, por volta das 10h da manhã, na igreja Catedral, foi celebrada uma Ação de Graças pelos 37 anos de ordenação sacerdotal do Arcebispo Dom Luís Gonzaga Silva Pepeu, OFMCap, atual Administrador Apostólico de Vitória da Conquista, bem como pela conclusão de sua missão pastoral, como Arcebispo Metropolitano, ao longo desses 11 anos à frente da Arquidiocese de Vitória da Conquista.  A celebração contou a presença da maioria do Clero, religiosas, seminaristas e muitos fiéis.  No próximo sábado, dia 14,  tomará posse como 3º Arcebispo Metropolitano Dom Josafá Menezes. A seguir a Mensagem de Dom Luís Pepeu.

 

Entrada Pontifical

Visita ao Santíssimo Sacramento e Oração do "Angelus"

Dom Luís Pepeu

Santa Missa -  Ritos Iniciais

Liturgia da Palavra

Liturgia Eucarística

Homenagem do Clero a Dom Luís

Mensagem de Dom Luís e saudação ao clero

Ritos Finais

Clero da Arquidiocese de Vitória da Conquista


MENSAGEM DE DESPEDIDA DE DOM LUIS PEPEU

 

 

 

- GRATIDÃO E SAUDADE -

Distintos representantes do Poder Público: Legislativo, Executivo, e Judiciário,

Distintas Autoridades Civis e Militares,

Caríssimo Vigário Geral da Arquidiocese, caríssimo Pároco desta Catedral,

Queridos Padres, Diáconos, Religiosos e Religiosas, Funcionários da Cúria Metropolitana,

Meu irmão Manuel, representando minha família.

Amado Povo de Deus!

GRATIDÃO E SAUDADE caminham juntas. Gratidão nada mais é do que o reconhecimento e o agradecimento pela ajuda que recebemos. A gratidão é uma virtude, não só “a mais rica das virtudes, mas sim a mãe de todas as outras” já dizia o famoso filósofo Cícero (106 a.C).

Hoje para mim é um dia de GRATIDÃO E SAUDADE. Gratidão ao Senhor Deus e Pai, que nos concedeu o dom precioso da vida e da vocação religiosa. Gratidão aos meus queridos pais já, na eternidade, e aos meus familiares que sempre compreenderam minha ausência ou distância, desde os onze anos, em vista do chamado para colaborar na construção do Reino de Deus.

Com esta celebração de Ação de Graças, após onze anos de minha chegada a Vitória da Conquista, é chegado o momento de deixar esta querida região do Sudoeste baiano para regressar ao meu estado de origem, Pernambuco. Como disse o Papa Francisco no final da JMJ no RJ: “Parto com a alma cheia de recordações felizes que, por certo, tornar-se-ão oração. Saudade desta querida Arquidiocese deste povo tão grande e de grande coração; este povo tão amoroso. E como expresso no hino de Conquista: “És e sempre serás meu palinuro ó pérola fulgente do sertão”. Saudade da espontaneidade sincera que vi nas pessoas, saudade do entusiasmo dos discípulos missionários e missionárias. Saudade da esperança no olhar dos jovens. Saudade da fé e da alegria em meio à adversidade das comunidades urbanas e rurais. Tenho a certeza de que Cristo vive e está realmente presente no agir de tantos e tantas jovens, idosos, doentes, prisioneiros e demais pessoas que encontrei na inesquecível visita pastoral a mais de 800 comunidades urbanas e rurais. Obrigado pelo acolhimento e o calor da amizade que me foram demonstrados ao longo destes onze anos. Também disso começo a sentir saudade.

Desde que aqui cheguei no dia 28 de setembro de 2008, senti a grande responsabilidade de ser sucessor de Bispos tão pastores como: Dom Jakson, Dom Climério, Dom Celso e Dom Geraldo Lyrio, meu antecessor imediato e primeiro Arcebispo. Mais do que uma honra, de fato foi para mim uma responsabilidade, e disso estive sempre consciente. Mas, aceitei com serenidade, humildade franciscana e entusiasmo a missão que recebera da Igreja, confiando sempre na graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, em sintonia diária com o meu lema episcopal: “Não temas, estou contigo” (Jr 1,8). E assim, permaneci ao longo desses onze anos, até que fui reconhecendo diminuírem, nos últimos tempos, minhas capacidades para levar adiante, responsável e adequadamente o que a missão de Arcebispo Metropolitano exige. Foi isso que, em espírito de fé e com humildade, me levou a decisão consciente de solicitar ao Sumo Pontífice o Papa Francisco a renúncia de tão sublime Ofício - o governo pastoral desta Arquidiocese. O que por solicitude e benevolência do Santo Padre, tive a graça de ser compreendido e atendido.

Segundo o Eclesiastes, há tempo para tudo. Tempo para semear e tempo para colher. Aqui chegando, fui colhendo o que outros plantaram, e quem sabe plantando para outros colherem. Neste cultivo, contei sempre com a valiosa colaboração direta ou indireta de todos vocês, padres, diáconos, religiosos e religiosas, leigos e leigas. Minha eterna gratidão a todos. Gratidão muito especial aos presbíteros, colaboradores incansáveis, sem os senhores não poderia levar adiante a missão. Todos vocês, queridos sacerdotes diocesanos e religiosos, estarão sempre em meu coração e em minhas orações. Muito obrigado por seu carinho, disponibilidade, fidelidade, respeito e dedicação. Tive o privilégio de ordenar 14 de vocês, e mais os 3 últimos diáconos que se preparam para a ordenação presbiteral, com a graça de Deus. Aos queridos diáconos permanentes, agradeço por sua atuação, disponibilidade e colaboração comigo, com os presbíteros e com as paróquias, ao longo destes anos. Dos 16 diáconos permanentes desta Arquidiocese, 12 foram ordenados por mim. Tive também a graça de ordenar 4 bispos filhos deste privilegiado presbitério. Minha gratidão aos religiosos e religiosas, por sua intensa colaboração em minha missão pastoral e em prol desta Igreja Particular, por sua presença, generosidade e testemunho de consagrados. Aos seminaristas, por sua vocação, fidelidade e amizade, bem como aos vocacionados e vocacionadas, por sua perseverança.

Gratidão aos párocos, administradores e vigários paroquiais, reitores dos nossos seminários, casas de formação e instituto de filosofia. Profunda gratidão ao vigário geral, aos vigários regionais, ao ecônomo e ao chanceler. Enfim, minha gratidão a todos os padres na pessoa do Mons. Uilton, um verdadeiro “ego” do bispo.

Na Sagrada Escritura, também os Salmos evocam a virtude do agradecimento. Reconhecer que alguém nos “ajudou”, é ser humilde. É muito importante agradecer. Sou grato e rezo por aqueles e aquelas que colaboraram comigo na cúria, nos Conselhos: pastoral e econômico, bem como na assessoria jurídica e demais setores de nossa Arquidiocese, especialmente a OVS e aos benfeitores. Gratidão ainda aos que trabalharam ou conviveram comigo na residência episcopal.

Minha gratidão às autoridades, aos poderes públicos, às igrejas evangélicas, outros segmentos religiosos, à imprensa e demais órgãos de comunicação, por seu respeito, apoio e delicadeza para comigo.

Minha gratidão muito especial a todos vocês amados fiéis e pessoas de boa vontade, não só por seu testemunho de fé e esperança, mas também por seu carinho, estima, compreensão, respeito e delicadeza. Saio daqui encantado com tanta bondade e generosidade de todos vocês.

Agradeço, de coração, a cada um e todos quantos aqui se encontram, e aqueles que não puderam estar, por importante presença neste momento de ação de graças na conclusão de minha missão pastoral à frente desta querida Arquidiocese de Vitória da Conquista, à qual estarei sempre ligado, não só afetivamente, mas de fato, como Arcebispo Emérito.

Já começo a sentir saudade. Saudade desta cidade que, além de berço cultural bastante expressivo, é cantada e decantada como “Suíça Baiana” e “Joia do Sertão Baiano”, que me acolheu com tanta estima e generosidade em 1977 e agora ao longo desses últimos onze anos. Como cidadão baiano e conquistense, não poderei deixar de voltar aqui outras vezes, se Deus quiser!

Agora que devo partir, a missão pastoral da Arquidiocese passará no próximo sábado, dia 14, ao novo Arcebispo, meu querido irmão no episcopado Dom Josafá Menezes. Ele foi o escolhido de Deus para ser o vosso novo Pastor. Dom Josafá foi nomeado pelo Papa Francisco, no dia 9 de outubro passado. Será o 3º Arcebispo da Arquidiocese de Vitória da Conquista. Ele vem com alegria e esperança para servir e guiar o rebanho que o Senhor lhe confiou. Venham todos participar da Ação de Graças que marcará o início da missão Pastoral do seu novo Pastor. É muito importante a presença e participação de todas as comunidades e paróquias em sua acolhida.

Meus irmãos e irmãs, que Deus, na sua infinita bondade, queira perdoar minhas fraquezas e negligências. Seja-me Ele, pela intercessão da Imaculada Conceição de Maria, um juiz misericordioso. A todos quantos eu tenha ofendido ou entristecido, e a todos os que não se viram compreendidos por mim, peço-lhes que me perdoem.

O meu pensamento final, minha última expressão de gratidão e saudade, dirige-se a Nossa Senhora das Vitórias. Neste belo templo, nossa amada igreja Catedral, onde tantas vezes ajoelhei-me em prece pela Arquidiocese inteira, por todos os nossos fiéis, especialmente pelos mais pobres, doentes e necessitados, e pela formação dos futuros presbíteros. Estou indo, e quero lhes dizer um "até breve", e não um “adeus” um "até breve" com saudade, e lhes pedindo, que não esqueçam de rezar por mim. Preciso muito da oração de todos vocês. A todos o meu abraço. Que Deus vos abençoe hoje e sempre! Muitíssimo obrigado a todos!

Vitória da Conquista, 8 de dezembro de 2019. Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora.

Arcebispo Dom Luís Pepeu, OFMCap.

Administrador Apostólico de Vitória da Conquista