Home
 
OUTUBRO - MÊS DAS MISSÕES E DO ROSÁRIO Imprimir E-mail

 

ENCERRAMENTO DA PORTA DA MISERICÓRDIA

EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA

DIA 15 DE NOVEMBRO DE 2016


Na Arquidiocese de Vitória da Conquista a PORTA DA MISERICÓRDIA será encerrada no dia 15 de Novembro de 2016 (feriado nacional). Às 16h será o acolhimento dos fiéis peregrinos e passagem pela Porta da Misericórdia. Às 16:30h terá início a celebração Eucarística com o rito de encerramento da Porta da Misericórdia, em frente à igreja Catedral. A Arquidiocese convida todos os fiéis e pessoas de boa vontade a participarem deste evento solene e único!

 

CAMPANHA MISSIONÁRIA 2016


Outubro é o Mês das Missões, um período de intensificação das iniciativas de animação e cooperação missionária em todo o mundo. O objetivo é sensibilizar, despertar vocações missionárias e realizar a Coleta no Dia Mundial das Missões, penúltimo domingo de outubro (este ano dias 22 e 23), conforme instituído pelo papa Pio XI em 1926. “Cuidar da Casa Comum é nossa missão”. Este é o tema escolhido para a Campanha Missionária em 2016. O lema é extraído da narrativa da criação no livro do Gênesis: “Deus viu que tudo era muito bom” (Gn 1, 31). O projeto do Criador é maravilhoso, mas encontra-se ameaçado! A preocupação pela ecologia parte de dois gritos: o grito dos pobres que mais sofrem, e o grito da Terra que geme pela exploração. A temática retoma a Campanha da Fraternidade Ecumênica deste ano e amplia a missão de cuidar da vida em todo o planeta. Em sua Encíclica Laudato si’, o papa Francisco adverte que “a existência humana se baseia sobre três relações intimamente ligadas: as relações com Deus, com o próximo e com a terra” (LS 66). E lança uma pergunta: “Que tipo de mundo queremos deixar a quem nos suceder, às crianças que estão crescendo?” (LS 160). Em nossa Casa Comum, tudo está interligado, unido por laços invisíveis, como uma única família universal. E nós recebemos de Deus a missão de cuidar dessas relações. Isso tem a ver com a missão da Igreja. Queremos fazer do cuidado do planeta a nossa missão até os confins do mundo. Diante da crise socioambiental, nem todos temos de ser especialistas e saber tudo, mas temos o dever de mudar nossos hábitos e apoiar ações práticas.

 

ANO NACIONAL MARIANO

O Ano Nacional Mariano foi proclamado pela CNBB, em comemoração aos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, nas Águas do Rio Paraíba do Sul. A iniciativa será celebrada a partir do dia 12 de outubro até o dia 11 de outubro de 2017. Em carta enviada aos bispos de todo o Brasil, a presidência da CNBB considera a celebração dos 300 anos “uma grande ação de graças” e recorda que todas as dioceses do país se preparam, desde 2014, recebendo a visita da imagem peregrina de Nossa Senhora, que percorre cidades e periferias.  De acordo com o arcebispo de Brasília e presidente da CNBB, dom Sergio da Rocha, o período convida a população a voltar o coração para Nossa Senhora. “É um ano para celebrar, para comemorar, para louvar a Deus, mas também para reaprender com Nossa Senhora como seguir Jesus Cristo, como ser cristão hoje”.

 

NOTÍCIAS DO MÊS DE OUTUBRO

 

1º Dia da VISITA PASTORAL NA PARÓQUIA DE NOVA CANAÃ

Chegada do Arcebispo e saudação.

Encontro com coordenadores, conselhos, movimentos, lideranças.

Encontro com catequistas

Reunião com CEP

Visita ao hospital local

Visita aos doentes e idosos

Visita ao cemitério local

Visita às Comunidades urbanas

1. Comunidade São Vicente de Paulo

2. Comunidade Bom Pastor

3. Comunidade Nossa Senhora Aparecida

Ação de Graças pelos 40 anos da Paróquia e 55 do Município

 

21 a 23 - VISITA PASTORAL NA PARÓQUIA DE NOVA CANAÃ

Nestes dias a Paróquia Nossa Senhora Imaculada Conceição em Nova Canaã está recebendo a Visita Pastoral do Arcebispo Dom Luís Pepeu. Além do pároco, Padre Geneildo, compõem a equipe missionária que auxilia o Arcebispo na Visita, o coordenador arquidiocesano de pastoral, Diácono Permanente Luciano Santana, o Diácono Temporário Antonio Gonçalves, e a coordenadora arquidiocesana de catequese Elielma França. A Visita Pastoral é uma ocasião especial para o Bispo conhecer melhor a realidade de sua Diocese. Assim, poderá melhor servi-la, animar a missão evangelizadora, apoiar e orientar as atividades desenvolvidas no âmbito da administração e da pastoral. É um momento especial de vivência da comunhão eclesial e de animação da missão pastoral e evangelizadora. É uma oportunidade de partilha das experiências vividas e dos desafios encontrados.

 

Dia 19 - REUNIÃO DO CONSELHO PRESBITERAL


Sob a presidência do Arcebispo Dom Luís Pepeu, reuniu-se hoje o Conselho Presbiteral  numa das salas da Paróquia Nossa Senhora das Candeias em Vitória da Conquista. Após a oração inicial, foi feita uma reflexão sobre o "Os ministros da Igreja são ministros da misericórdia" (um texto de Santo Agostinho, em fontes do Ano da Misericórdia). Após a leitura da Ata anterior, prosseguiu-se com a pauta da reunião. Dentre os diversos pontos, destacam-se: a distribuição dos referenciais, dentro do Conselho, para as diversas pastorais e movimentos da Arquidiocese; apresentação do projeto arquitetônico do futuro Centro Pastoral que está sendo elaborado; e a nomeação de novos párocos e administradores, além de algumas outras transferência, como apresentado a seguir:

NOMEAÇÕES:

Diác. ANTONIO Gonçalves Dias - para continuar seu estágio diaconal na Paróquia Nossa Senhora das Vitórias.

Pe. ANTONIO Ramos Melo - Pároco da Paróquia Senhor Bom Jesus, em Bom Jesus da Serra.

Pe. EDILBERTO Araújo Amorim - Pároco da Paróquia São Paulo Apóstolo, em Caatiba.

Pe. EDMILSON José dos Santos - Colaborador na Paróquia São Pedro, em Ibicuí.

Pe. EDNILTON de Jesus Oliveira - Pároco da Paróquia Santo Antonio, em Itarantim.

Pe. FRENILSON da Conceição Brito - Reitor do Seminário Propedêutico, em Itapetinga e Coordenador da Pastoral Vocacional.

Pe. MAIRTON Marques do Amaral Sales - Pároco da Paróquia Senhor do Bonfim e Santa Rita, em Planalto.

Pe. NILO Vicente Ferraz Lopes - Vigário Paroquial da Paróquia São João Batista, em Anagé.

Frei ORLANDO Santos Oliveira - Administrador Paroquial da Paróquia São João Batista, em Ribeirão do Largo.

Pe. TOBIAS Patriota Feitosa - Pároco da Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus, em Vitória da Conquista.

 

Dias 17 e 18 - AVALIAÇÃO ANUAL DA MISSÃO PASTORAL DO CLERO

Celebração Eucarística

Oração inicial do encontro (Hora Média)

Nestes dias 17 e 18 de outubro (segunda e terça-feira), sob a presidência do Arcebispo Dom Luís, aconteceu a avaliação anual da ação pastoral do Clero da Arquidiocese de Conquista. O encontro teve início às 14 horas da segunda-feira, estendendo-se até o início da noite do dia seguinte, terça-feira. Foi realizado no espaço de pastoral da Paróquia Nossa Senhora de Fátima e Santo Antônio de Lisboa, no claustro do Convento dos Frades Capuchinhos, contando com a presença de todos os padres e alguns dentre o grupo dos 12 diáconos permanentes da Arquidiocese. O momento inicial do encontro foi marcado como ponto alto pela Oração da Liturgia das Horas, sob a presidência do Arcebispo Dom Luís, realizada na Capela do Santíssimo (Tabernáculo) da Igreja Paroquial Nossa Senhora de Fátima. A Oração foi motivada pelo canto de invocação ao Espírito Santo para que iluminasse este tempo de avaliação da ação pastoral e da caminhada do Clero. Foi celebrada a Hora Média (Oração das Quinze Horas) na memória de Santo Inácio de Antioquia, Bispo e Mártir da Igreja. A oração, cultivando um toque solene e profundamente orante, contou com a preciosa colaboração das Irmãs Sacramentinas. Terminada a oração, todos se dirigiram para a sala de conferência para a abertura oficial da avaliação.

Saudação do Arcebispo Dom Luís Pepeu

Dom Luís abriu os trabalhos com a formação da Mesa de Presidência composta por ele, pelo Vigário Geral, Mons. Uilton, e por Frei Gilson, Anfitrião na qualidade de Pároco da Paróquia Nossa Senhora de Fátima. Após a formação da Mesa, Dom Luís prosseguiu com uma saudação de boas-vindas a todos os participantes e, em breves palavras, destacou o sentido daquele encontro de avaliação: primeiramente, a avaliação faz parte da formação permanente do padre e do diácono. Este processo de formação possibilita que cada um possa voltar o olhar para trás, perceba as próprias fragilidades e, voltando à fonte, que é o encontro pessoal com Jesus Cristo, possa restaurar as forças, fortalecer seu ideal e renovar esta alegria do encontro com Jesus. Em segundo lugar, um outro elemento não de menor importância, é que este tempo de avaliação proporciona e alimenta o encontro fraterno. Dom Luís também ressaltou que no processo de avaliação é preciso “olhar para dentro de nós mesmos”, ver a caminhada pastoral ao longo do ano em vista de melhor vivenciar o ano seguinte. Mais ainda, é preciso ter coragem de tomar a decisão em melhorar a caminhada. Em suma, a avaliação deve ser realizada na expectativa do ano futuro. Recordou, finalmente, que esta avaliação da ação pastoral do Clero está acontecendo diante de evocações diversas, ainda que todas importantes: no contexto do Ano Santo da Misericórdia e do Ano Nacional Mariano, na vivência do mês missionário e do mês do Rosário e com os impulsos da Nova Evangelização. Após as palavras eloquentes e animadoras do Arcebispo, deu-se prosseguimento aos trabalhos. Em um primeiro momento, sob a orientação e motivação do Diác. Luciano, foi feita uma avaliação das atividades do ano, segundo as urgências apresentadas pelo Plano Pastoral da Arquidiocese.

Estudo de grupo por Vicariato

Esta avaliação deu-se nos grupos por Vicariato, seguida do plenário. Uma característica marcante da avaliação refere-se ao espaço aberto para contemplar alguns irmãos do Clero que, a nível regional ou nacional e em nome da Arquidiocese, participaram ao longo do ano de algum seminário, encontro, estudo ou qualquer outra atividade, para fazer o repasse, socializando, assim, suas experiências com os demais. Foram eles: Pe. Valdo, Pe. Monjinho, Pe. Irineu, Diác. Luciano, Pe. Frenilson. Assim, Pe. Valdo, no final da tarde, trabalhou alguns elementos da Pastoral Presbiteral a partir do 16º. Encontro Nacional de Presbíteros e Pe. Monjinho, adentrando-se pela noite, fez o repasse do seminário promovido pelo Setor Juventude, abordando o tema da Juventude em seus vários rostos na busca de colaborar com a pluralidade de pastorais, grupos, movimentos e serviços que abarcam o setor juvenil. Na primeira parte da manhã da terça-feira, contemplando o tema da missão, Pe. Irineu fez uma síntese do último encontro do COMIRE (Comissão Missionária Regional). Esta apresentação motivou um trabalho em grupos para avaliar a caminhada missionária da Arquidiocese a partir da análise das propostas a nível da realização de missões nas paróquias assumidas por cada vicariato. Na segunda parte da manhã, o Diác. Luciano apresentou uma síntese do II Congresso Internacional de Doutrina Social da Igreja realizado em São Paulo com o tema: “O cuidado misericordioso dos mais frágeis”, envolvendo diversos outros temas, que representam os dramas humanos da sociedade, tais como: “ideologia midiática”, “migração”, “tráfico de pessoas” e “trabalho escravo”. Pe. Frenilson, referencial eclesiástico para a Catequese, fez o repasse do Encontro Arquidiocesano de Catequese, que aconteceu no mês setembro, em Vitória da Conquista. Também fez uma apresentação da caminhada da Pastoral Vocacional, sua realidade, os grandes desafios e motivações para avançar. Mons. Uilton participou de um encontro sobre a Pastoral do Dízimo a nível nacional promovido pela CNBB. Ele fez um repasse das discussões realizadas a partir do Doc. 106, CNBB, destacando o longo percurso que vem do livreto no. 8 (Doc. Verde) dos anos 70. Pe. Irineu apresentou a caminhada do trabalho da OVS, iniciada há mais de 40 anos e revigorada e ampliada em 2015 por ocasião do Ano Vocacional da Arquidiocese. no final, abriu-se espaço para diversas comunicações da Assembleia e programação da Agenda 2017, com o registro das datas comuns ao Clero.

No final, Dom Luís Pepeu pronunciou a palavra de encerramento, encorajando a todos os participantes a voltarem animados para as paróquias. A palavra de ordem foi “Re-começar”. Lembrou a importância da perseverança na oração, o alimento da espiritualidade e a força para enfrentar o cansaço e a fadiga do trabalho e da vida corrida. No final, todos foram à Capela para a Oração da Liturgia das Horas com a recitação da Hora Média - Oração das Quinze Horas, contando mais uma vez com a animação das Irmãs Sacramentinas. Estes dois dias de encontro e de avaliação foram marcados também pela Celebração Eucarística como ponto alto. Enfim, foram dois dias exaustivos, certo, mas muito gratificantes.

 

Dias 15 e 16 - Assembleia das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) em Itambé.


Desde ontem, dia 15, está sendo realizada na Paróquia São Sebastião em Itambé a Assembleia das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) do Vicariato São João. Participam representação das CEBs de todas as paróquias do Vicariato. Na tarde de ontem, esteve presente na Assembleia o assistente eclesiástico arquidiocesano das CEBs, Padre Carlinhos (Pe. José Carlos Lima, SDV). A celebração Eucarística, na igreja Matriz, foi presidida por Dom Luís Pepeu e concelebrada por Padre Juracy, Padre Rosenildo, Padre José Carlos e Padre Edmilson. O Arcebispo de Vitória da Conquista recordou que, de acordo com os Documentos da CNBB, “as CEBs em nosso país nasceram no seio da Igreja e tornaram-se “um novo modo de ser Igreja”. Ao redor delas se desenvolve cada vez mais a ação pastoral e evangelizadora da Igreja. Elas representam uma maneira de ser Igreja, de ser comunidade, de fraternidade, inspirada na mais legítima e antiga tradição eclesial. No caminhar em busca de vida comunitária, constata-se a presença das comunidades eclesiais de base, as CEBs, que, alimentadas pela Palavra, pela fraternidade, pela oração e pela Eucaristia, são sinal, ainda hoje, de vitalidade da Igreja. São também presença eclesial junto aos mais simples, partilhando a vida e com ela se comprometendo em vista de uma sociedade justa e solidária. ( Doc. 25 da CNBB 25 n. 03; Doc 92 sobre as CEBs; e Doc. 94: Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil – 2011 – 2015). Ainda na homilia Dom Luís Pepeu, refletindo sobre as Leituras proclamadas na Liturgia, disse que essas “apresentam e convidam os cristãos a manterem um relacionamento estreito, uma comunhão íntima, um diálogo insistente com Deus: só dessa forma será possível aceitar os planos ou projetos de Deus, compreender os seus silêncios, respeitar os seus ritmos, acreditar no seu amor. São, portanto, as mesmas atitudes vividas nas CEBs, ou que estas são chamadas a viver constantemente em seu meio, pois fazem parte da sua essência”.

 

Dia 12 - Festa de Nossa Senhora Aparecida em Vitória da Conquista.

A solenidade de Nossa Senhora Aparecida foi presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Vitória da Conquista, Dom Luís Pepeu, que iniciou dirigindo à assembleia reunida no Ginásio de Esportes a seguinte saudação: "Meus queridos irmãos e irmãs, hoje é um dia muito especial, dia de festa para esta comunidade aqui reunida e para o Brasil, pois celebramos a Mãe de Jesus e nossa, Nossa Senhora da Conceição Aparecida, padroeira desta Paróquia que celebra 40 anos de criação, confiada ao pastoreio dos Religiosos Vocacionistas, e padroeira do povo brasileiro. Unidos a tantas comunidades e paróquias espalhadas pela nossa nação brasileira, agradeçamos a Deus pai e o louvemos por nos ter dado Maria por nossa mãe. Assim, é com grande alegria e júbilo que aqui nos reunimos para celebrar a solenidade da padroeira, Nossa Senhora Aparecida. Mãe atenta às necessidades de seus filhos. Mãe que intercede junto ao seu Filho Jesus em favor do povo necessitado de saúde, paz, amor, esperança e alegria. Sintam-se, portanto, todos acolhidos pelo próprio Deus Pai, sob o olhar materno e misericordioso de Nossa Senhora Aparecida! À luz do tema central desta festa: “Maria, mãe da misericórdia”, vamos rezar por toda a nossa Igreja em festa, para sermos cada vez mais uma Igreja missionária e misericordiosa. Vamos rezar pelas famílias, crianças e juventude, pelas vocações e pelo Ano Nacional Mariano que hoje iniciamos em todo o Brasil."

 

Dia 9 - Bênção da igreja Nossa Senhora Aparecida em Bate-Pé.

A Comunidade de Bate Pé, Paróquia Nossa Senhora de Fátima, está celebrando o Novenário em preparação à Festa de sua excelsa Padroeira, Nossa Senhora Aparecida. Hoje (domingo), dia 9 de outubro, 7ª. noite do Novenário, o Arcebispo participou dos festejos em louvor à Virgem Maria, a Mãe Aparecida, presidindo a Santa Eucaristia, que foi concelebrada por Frei Jesulino. Tendo o templo passado por uma grande reforma, incluindo ampliação de seus espaços, e com os trabalhos já concluídos, era este o momento oportuno, tempo favorável de a Comunidade Bate Pé agradecer e oferecer aquela igreja a Deus. Para isto, Dom Luís realizou o rito de Bênção da Igreja, que contou também com a bênção da água e bênção do Tabernáculo. Lembrou aos fiéis que o rito de bênção nos lugares ditos sagrados devem remeter os cristãos ao autor, fonte e origem de toda a bênção, Deus bendito sobre todas as coisas. O novenário de preparação para a festa de Nossa Senhora Aparecida, motivado pela celebração do Ano Santo da Misericórdia, foi norteado pelo tema: “O Rosto Misericordioso de Maria”. Já o tema proposto para a reflexão desta 7ª. noite foi: “Maria, Senhora e Mãe Missionária”. Em sua homilia, com breves palavras, Dom Luís fez uma reflexão sobre as leituras próprias da liturgia do dia - 28º. Domingo do Tempo Comum - e também ressaltou aspectos importantes do tema da noite, que exalta a figura de Maria como Senhora e Mãe Missionária, um tema muito pertinente no contexto do mês missionário e mês do rosário. Maria é a primeira discípula missionária de Jesus Cristo, sendo modelo de todos os discípulos e evangelizadores. Ela se torna o itinerário que cada batizado deve trilhar para viver como discípulo missionário. Ser missionário é assumir a atitude de Maria: sua plena disposição em lançar-se na grande aventura da fé, procurando intensamente escutar a Palavra, crer na Palavra, viver e anunciar a Palavra. No final da missa, Dom Luís saudou os fiéis que lhe foram ao encontro, cumprimentando-os com um abraço, um aperto de mão, um sinal de bênção, sempre retribuindo a bondade do povo com um sorriso como gesto de gratidão. Abundantes foram os elogios pelos trabalhos de reforma e de ampliação da igreja. Todos demonstravam grande satisfação.

 

Dia 9 - Missa na Catedral e retiro dos Diáconos Permanentes.

Na manhã deste domingo (8), Dom Luís presidiu a Santa Missa na Igreja Catedral com a participação dos diáconos permanentes da Arquidiocese, que se encontram em retiro neste final de semana. Dom Luís acolheu calorosamente os Diáconos que estavam acompanhados de seus familiares. Lembrou a importância do retiro anual para o ministro ordenado como um tempo necessário de parada e de silêncio para melhor rezar. Dirigindo-se diretamente aos diáconos, falou também que este tempo de retiro é muito oportuno para um aprofundamento através da reflexão de temas relevantes e pertinentes à vida e à missão do diácono, como a espiritualidade do diácono permanente, a vida familiar, profissional e comunitária, tendo como fundamento as Sagradas Escrituras e os documentos eclesiais. Em suma, Dom Luís destacou que o retiro constitui uma oportunidade na vida e na missão do diácono no sentido de favorecer a ele uma maior tomada de consciência do que é ser ministro da Palavra, da Caridade e da Liturgia. Na homilia, partindo da liturgia própria do 28º. Domingo do Tempo Comum, Dom Luís destacou que o cristão é chamado a reconhecer o dom de Deus, acolhê-lo com amor e gratidão, como condição para vencer a alienação, o sofrimento, o afastamento de Deus e dos irmãos e chegar à vida plena. A partir do episódio da cura dos 10 leprosos, quando somente um dentre eles, um estrangeiro (samaritano), reconhecendo-se curado, volta ao encontro de Jesus para agradecer-Lhe, enquanto os outros, que eram judeus, continuam seu caminho, Dom Luís enfatizou que os judeus, com essa atitude, demonstraram que não reconheceram a salvação ofertada por Deus através do Filho, Jesus Cristo. Neste episódio, vale ressaltar, reside um apelo aos discípulos de Jesus para que não ignorem o dom de Deus e saibam responder-Lhe com a gratidão e a fé. Finalizando sua homilia, Dom Luís referiu-se ao mês de outubro dedicado pela Igreja às missões, recordando o tema missionário: “Cuidar da Casa Comum é nossa missão” e o lema: “Deus viu que tudo era muito bom...”. Fez, então, uma exortação aos presentes, dizendo que todos devem sentir-se corresponsáveis pelas obras missionárias da Igreja. Terminada a celebração, Dom Luís foi ao encontro dos familiares dos diáconos permanentes para uma saudação e cumprimentos mais próximos, aconchegantes. A celebração teve a participação de grande multidão.

 

Dia 7 - Festa da padroeira de Iguaí, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

Neste dia 7 de outubro (sexta-feira), Dom Luís Pepeu esteve em Iguaí para participar da Novena em preparação à Festa da Padroeira, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. A Santa Missa, presidida pelo Arcebispo, começou às 19h30min e contou com a concelebração de todos os padres do Vicariato São Marcos. O pároco Pe. André acolheu Dom Luís, dando-lhe as boas-vindas. Também os fiéis manifestaram grande alegria pela presença de seu Pastor. Neste ano, no contexto da celebração do Ano Santo da Misericórdia, a Festa tem como tema central: “Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Mãe da Misericórdia” e está meditando durante todo o novenário as obras de misericórdia corporais e espirituais, no sentido de motivar a vida dos fiéis devotos de Nossa Senhora na prática comprometida e consciente das obras de misericórdia em favor dos mais necessitados como caminho concreto e autêntico da vivência da fé cristã. Nesta quinta noite do novenário, a reflexão foi norteada pela 5ª. Obra de Misericórdia Corporal: assistir aos enfermos. Os responsáveis da noite foram os Acólitos, Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística e OVS (Obras das Vocações Sacerdotais). Já os homenageados foram os Policiais Civis e Militares e a Guarda Municipal. Em suas palavras, inicialmente, Dom Luís dirigiu uma saudação ao pároco Pe. André e a todos os presbíteros do Vicariato São Marcos. Saudou também as Autoridades constituídas presentes na celebração ou representadas. Na homilia, com a liturgia própria do dia na memória de Nossa Senhora do Rosário, Dom Luís fez um breve aceno às leituras, destacando alguns pontos importantes. Na primeira leitura, falou da imagem da nova comunidade, segundo o texto dos Atos dos Apóstolos, o novo povo de Deus, que se reúne em torno dos Apóstolos, tendo como símbolo de unidade a Mãe de Jesus. No Evangelho, o relato da Anunciação constitui o grande anúncio feito a Maria: ser a Mãe do Filho de Deus. Através deste anúncio, Maria é chamada a participar e colaborar de modo singular e extraordinário com o projeto de salvação de Deus. com o seu “Sim”, Maria abriu as portas do seu coração e do seu ventre, tornando-se morada do Altíssimo, a primeira discípula do Filho, modelo de todos os cristãos. Reportando-se ao tema do dia, Dom Luís tomou como ponto de partida o discurso sobre o Juízo Final, em Mateus 25, onde Jesus se manifesta a cada um também na pessoa do enfermo. Ressaltou que a obra de misericórdia “assistir aos enfermos”, a começar no seio das famílias, quando estas muitas vezes devem lidar com doenças prolongadas e até mesmo irreversíveis, estendendo-se ao trabalho voluntário em hospitais, asilos, casas de recuperação terapêutica. Sublinhou a importância da Pastoral da saúde, tanto nas comunidades paróquias como principalmente nos hospitais, incentivando a necessidade de um maior apoio e efetivo acompanhamento, com o fim de se marcar uma presença misericordiosa em momentos de fragilidade e vulnerabilidade do ser humano, tão visíveis em situações de enfermidade. Em suas últimas palavras, Dom Luís lançou um grande apelo aos presentes: “Nunca nos cansemos de oferecer misericórdia”. E concluiu suplicando à Mãe celeste, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, que visite os seus filhos peregrinos com o seu amor materno, trazendo-lhes esperança e consolação em meio às lutas e tribulações nos caminhos da vida.

 

Dia 7 - Arcebispo participa da reunião do Vicariato São João.

Na manhã desta sexta-feira (7), Dom Luís esteve em Itarantim para participar da reunião dos padres do Vicariato São João. Estas reuniões de Vicariatos constituem-se em uma adequada oportunidade para uma presença mais efetiva e afetiva do Bispo em meio a seus colaboradores diretos, os padres, com o objetivo de cultivar esta proximidade e estreitar as relações de colaboração. A reunião começou com a oração inicial e seguiu a pauta proposta. No fechamento, Dom Luís fez uso da palavra, saudando a todos e externando sua grande alegria em poder encontrá-los. Mencionou a presença de Pe. Edmilson, como membro novo no Vicariato, e a ausência de Pe. Joselito, que se encontro em um tempo sabático. Em prosseguimento, destacou alguns pontos importantes que devem alimentar uma comunhão sadia entre os padres. Falou da atenção que os irmãos devem ter uns com os outros no Vicariato, procurando cultivar uma maior fraternidade, sobretudo, sendo atentos às fragilidades do outro em suas enfermidades e necessidades físicas e existenciais. Afirmou Dom Luís que é necessário criar e fortalecer laços fraternos no Vicariato. Lembrou também que o Vicariato é uma instância importante para a integração de todos. Por isso, quando um padre precisa ausentar-se, é importante que esta ausência seja comunicada ao Vigário Regional. Ressaltou, por fim, a importância de direcionar as reuniões do Vicariato como um espaço importante para o estudo dos documentos sobre os presbíteros. Dom Luís fez um lembrete sobre os principais acontecimentos celebrativos no Vicariato e a nível de Arquidiocese. Fez um questionamento sobre o encaminhamento da OVS (Obras das Vocações Saceredotais), pedindo encarecidamente uma maior atenção e empenho por parte dos párocos nesta pastoral, que é voltada à oração pelas vocacões como cuidado espiritual e pela ajuda concreta e material aos seminários e formação dos seminaristas.

 

Dia 6 - Relíquias de São Francisco em Vitória da Conquista.

No final da tarde desta quinta-feira (6), Dom Luís Pepeu foi à Paróquia Nossa Senhora de Fátima e Santo Antônio de Lisboa, sob o cuidado pastoral dos Frades Capuchinhos, para fazer uma visita à Imagem e Relíquia de São Francisco de Assis. A Capelinha contendo a imagem de São Francisco e uma Relíquia, constituída de um fragmento de osso, está em peregrinação pelo Brasil para a preparação do grande Jubileu dos 800 anos de fundação da Ordem Franciscana Secular - OFS. Na visita à Relíquia, Dom Luís participou de um momento de oração com os presentes. Como Frade Capuchinho, Dom Luís expressou que esta foi uma experiência muito singular vivenciada, foi um momento de grande espiritualidade. Dom Luís já esteve em Assis, na Itália, várias vezes e pode contemplar de muito perto o corpo de São Francisco. Não poucas vezes esteve em lugares onde o santo viveu momentos grandiosos de sua vida. No entanto, agora é uma Relíquia que passa em solo conquistense para ser contemplada. Neste momento de intensa espiritualidade, afirma Dom Luís, diante da Relíquia de São Francisco, somos chamados a contemplar mais de perto a vida em minoridade de São Francisco, segundo a forma de vida do Santo Evangelho, seguindo com perfeita alegria, o Cristo pobre, casto e obediente.

 

Dia 6 - Dom Luís Pepeu celebra 15 anos de ordenação episcopal.

A Arquidiocese de Vitória da Conquista se alegra pelos 15 anos da ordenação episcopal de seu Pastor, Dom Luís Gonzaga Silva Pepeu, OFMCap. Para marcar esta significativa data, na manhã desta quinta-feira (6), às 7h30min, foi celebrada a Santa Missa na Igreja Catedral, presidida pelo homenageado e concelebrada por diversos padres da cidade de Conquista. Também estavam presentes na celebração exercendo a diaconia os diáconos Antônio Dias e Luciano Lima. A celebração foi programada pelo Vigário Geral da Arquidiocese Mons. Uilton, também pároco da Catedral. A assembleia contou com a presença de algumas religiosas e com muitos fiéis provenientes das diversas paróquias da Cidade. Dom Luís agradeceu a presença de todos e falou de sua alegria por este momento celebrativo. Ressaltou também a grande responsabilidade assumida como Pastor desta Igreja Particular. Na homilia, em breves palavras, fez uma reflexão sobre as leituras do dia com aplicações práticas para o quotidiano. Partindo da primeira leitura, ressaltou a importância de uma experiência de vida e de fé cristã orientada em Jesus Cristo crucificado. Neste sentido, lembrou que a obediência deve ser submetida não à Lei, mas ao Evangelho, que é Palavra de fé e de vida. Meditando sobre o evangelho do dia, ressaltou a solicitude de Deus em atender aos clamores humanos e, por isso mesmo, o ser humano deve entregar-se na oração com confiança e perseverança, consciente de que Deus o escuta e o atende, dando-lhe o Espírito Santo. No final da celebração, a assembleia, com o clero presente, entoou o tradicional canto dos parabéns. Dom Luís Pepeu recebeu muitos cumprimentos como uma grande demonstração de carinho e de afeto.

 

Dia 4 - Festa de São Francisco de Assis na Comunidade São Sebastião.

Hoje, 4 de outubro, dia de São Francisco de Assis, o santo protetor da natureza e defensor do valor da vida humana, vivida em comunhão com Deus e com todas as criaturas, Dom Luís Pepeu foi celebrar a Santa Missa na Comunidade São Sebastião em louvor a São Francisco de Assis. Foi uma celebração festiva com a participação de muitos fiéis da Comunidade São Sebastião, contando também com a presença de Pe. Severino, Vigário Paroquial da Catedral, que concelebrou com Dom Luís. Na homilia, Dom Luís Pepeu, sempre fiel ao carisma da Ordem dos Frades Capuchinhos, à qual pertence, portanto, como bom franciscano, destacou pontos importantes da história de São Francisco e elementos fundamentais de sua espiritualidade. Lembrou que São Francisco de Assis, com o hábito da pregação itinerante e com a fé firme de que o Evangelho devia ser vivido com radicalidade na imitação de Cristo, dedicou-se com grande amor aos mais pobres e desprezíveis da sociedade da época, desenvolvendo uma profunda identificação com a humanidade do próprio Cristo. Depois de uma breve juventude irrequieta e mundana, São Franciisco voltou-se para uma vida religiosa de completa pobreza, fundando a ordem mendicante dos Frades Menores, conhecidos como Franciscanos. Pelo grande apreço à natureza, São Francisco é conhecido mundialmente como o patrono dos animais e do meio ambiente. Entre diversos episódios determinantes no seu processo de conversão, Dom Luís destacou a visão de São Francisco na Capela de São Damião, quando o santo escuta a voz do Crucificado: “Francisco, restaura minha igreja”. Ressaltou também o famoso encontro de Francisco com o leproso. Encontrando-o no caminho, doente, sofrendo frio, coberto com trapos, Francisco cobre-o com seu próprio manto e, fitando-o em seus olhos, enxerga a gratidão daquela pobre criatura. E, enquanto chorava, beija aquele rosto deformado pela moléstia, como gesto concreto de misericórdia. Ao final da celebração, os fiéis foram ao encontro de Dom Luís para agradecer sua presença e suas belas palavras de ensinamento.

 

Dia 3 - Reunião dos Vigários Regionais com o Arcebispo.

Na manhã desta segunda-feira (3), Dom Luís, contando com a presença do Vigário Geral, Mons. Uilton, presidiu a reunião com os Vigários Regionais, a saber: Mons. Carvalho, Vicariato São Marcos; Pe. Alexandre, Vicariato São Mateus; Pe. Gerson, Vicariato São Lucas; Pe. Rosenildo, Vicariato São João. Esta reunião teve a finalidade de refletir e elaborar a programação da avaliação do Clero Arquidiocesano, que acontecerá nos próximos dias 17 e 18, e planejar a metodologia a ser trabalhada. Além de outros assuntos pertinentes, discutiu-se sobre a divisão de tarefas entre os Vigários em vista de um melhor andamento dos trabalhos e também a indicação de alguns nomes do próprio clero para o assessoramento e encaminhamento das diversas atividades, tais como: apresentação de temas específicos e discussões, trabalhos em grupos, plenário e elaboração de proposições a partir das angústias, ansiedades, esperanças e alegrias compartilhadas nos diversos grupos. Sobre a definição do local para sediar o encontro, houve unanimidade quanto ao espaço pastoral da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, no Convento (ou “Seminário”, como é tradicionalmente conhecido) dos Frades Capuchinhos.

 

Dia 2 - Início do Mês Missionário na Igreja Catedral.

Às 8 horas da manhã deste domingo (2), Dom Luís Pepeu, tendo a diaconia do Diác. Luciano Lima, celebrou a Santa Missa na Igreja Catedral Nossa Senhora das Vitórias, a Igreja-Mãe da Arquidiocese. Na ocasião, ele fez a abertura do mês missionário 2016. Em suas palavras de saudação, lembrou que o mês de outubro é conhecido e celebrado mundialmente como mês das missões. Referiu-se também ao mês de outubro como mês do Santo Rosário, instituído pelo Papa Leão XIII, quando os fiéis são especialmente convidados aos piedosos exercícios, sobretudo através da recitação do terço ou rosário. Em suas palavras na homilia, Dom Luís ressaltou a importância da Igreja Católica dedicar o mês de outubro às missões, como tempo oportuno para intensificar as iniciativas de animação e cooperação missionária em todo mundo, especialmente a partir do Documento de Aparecida, onde o Episcopado da América-Latina e do Caribe, em sua V Conferência Geral, faz uma tomada de posição em relação à missão e à necessidade de uma transformação missionária, inspirando, assim, e dando origem ao termo “Uma Igreja em saída”, uma Igreja de rosto missionário, uma Igreja que vai ao encontro, uma Igreja que toma a iniciativa de procurar os afastados à margem dos caminhoss e nas encruzilhadas. Dom Luís fez uma abordagem também ao tema escolhido para a Campanha Missionária 2016: “Cuidar da Casa Comum é nossa missão” e ao lema: “Deus viu que tudo era muito bom” (Gn 1,31). Lembrou que fazendo-se esta escolha, a Campanha Missionária propõe-se a ampliar a missão de cuidar da vida em todo o planeta. Esta deve ser a missão da Igreja até os confins do mundo: o cuidado do planeta. Refletindo sobre as leituras do Domingo, propostas pela Liturgia da Palavra, destacou que as mesmas, propondo algumas atitudes a serem vivenciadas, muito contribuem ao cristão na vivência de sua missão. No contexto das leituras, vale destacar, sobretudo, a atitude correta que o ser humano - homem e mulher - deve assumir diante de Deus: a pessoa humana é convidada a reconhecer, com humildade, a própria pequenez e sua finitude, e comprometer-se com o “Reino”, sem exigências e a acolher com gratidão os dons de Deus, entregando-se confiante em suas mãos. Como sempre acontece aos domingos, muitos fiéis acorreram à Catedral para a Santa Missa. Terminada a celebração, muitos têm a oportunidade de ir ao encontro do Arcebispo para uma saudação, uma acolhida ou até pedir-lhe a bênção e suas orações para situações difíceis.

 

 

**********************************************************************

*************************************